Um conto de lobisomem

Conto de lobisomem – um casal comprou um pedaço de bosque na região, cercaram todo o lugar e colocaram placas proibindo a entrada, o que eles escondiam?

Conta meu tio-avô que quando ele era pequeno e morava no interior da Bahia numa dessas vilas da zona Rural, um casal comprou um pedaço de bosque na região, cercaram todo o lugar e colocaram placas proibindo a entrada.

lobisomem
Os moradores do lugar estranharam, mas não deram muita importância, todos eles gostavam de privacidade. O que realmente os incomodava era o fato de que seus novos vizinhos eram muito reclusos, o marido, seu Jonas saia algumas vezes para comprar alimento mas quanto a esposa, parece que seu nome era Michela, só a viram uma única vez, quando eles chegaram.

Durante dois meses nada de estranho além do fato de quase nunca serem vistos, pareciam pessoas normais. Depois de dois meses nessa calmaria, alguns acontecimentos começaram a preocupar e inquietar os moradores da redondeza, os pequenos animais domésticos começaram a desaparecer, começaram com animais, de casa, gatos, galinhas, pintinhos e patos com o passar dos meses os desaparecimentos foram ficando mais sérios e os cães de caça, carneiros e bodes também começaram a sumir, a comunidade então começou a se preocupar estavam roubando seu patrimônio, um dos fazendeiros acabou por perceber um padrão, os animais só eram roubados durante a lua crescente próximo a lua cheia, presumivelmente por causa da claridade, ele deveria ter se perguntado e porque não na lua cheia quando seria mais claro, mas não o fez.

No entanto os roubos não deixavam nenhum rastro de violência não havia sangue os animais não se assustavam além do normal para acordar seus donos, não havia nenhum sinal estranho além de animais sendo sequestrados.

Os fazendeiros da região, no entanto cansados de serem roubados resolveram se juntar e procurar o responsável ou responsáveis já desconfiavam de alguns jovens da vila vizinha pois tinha uma rixa antiga por causa de um jogo de futebol que eles ganharam por terem roubado, pelo menos era isso que queriam acreditar.

Começaram por organizar um grupo de busca e a varrer com cães de caça toda a região, todas as fazendas foram revistadas e nada de estranho foi encontrado, nenhuma carcaça, pegada, nada de anormal.

O grupo já tinha visitado todas as propriedades menos uma, por questão de educação e política de boa vizinhança, apesar dos novos vizinhos não darem queixa de desaparecimento de animais e de não terem sido convidados para participar do grupo de busca, eles deveriam ter sua propriedade revistada, poderiam estar usando os bosques da propriedade como esconderijo para os animais roubados.

Chegaram lá a tardinha quando começando a escurecer, esta seria noite de lua cheia o que facilitaria a busca, os fazendeiros estavam cansados e não queriam mais estender a busca até o dia seguinte. Tudo ira acabar aquela noite.

Alguns dos que foram lá aquela noite contam a historia mais fantástica, dizem e somente para seus familiares, com medo de serem chamados de loucos, que ao chegaram a terra dos novos vizinhos chamaram ao portão da casa mas não obtiveram respostas, e já iam desistir quando ouviram, gritos de mulher, eles então não pensaram duas vezes arrobaram o portão e se embrenharam no bosque atrás dos gritos que eram horríveis como se a mulher estivesse sendo espancada, ou torturada, lembravam o grito de porcos sendo mortos, faziam o sangue dos menos corajosos gelar nas veias.

Chegaram então a uma clareira no meio do bosque e o que viram deixou muitos deles literalmente com cabelos brancos. A mulher, dona Michela, estava na sombra, meio curvada diante de que parecia ser um monte de entulho, puderam perceber que ela estava toda suja, e ao se aproximarem para ajudá-la viram que seu corpo todo formigava como se houvessem vermes imensos rastejando sobre sua pele, seus braços e pernas e todo o corpo estava com pelos grossos crescendo e sua cabeça estava esticada de um jeito impossível, lembrava uma cabeça de cachorro ou lobo, e ela estava impregnada de sangue e que o monte de entulho na verdade era o seu marido, ou o que sobrou dele ela estava com a cabeça do marido nas mãos e enquanto se transformava naquela coisa hedionda chorava e gritava de dor por ter matado o marido na hora da fome pois ele não havia conseguido roubar nenhum animal, não desta vez, e ela o atacou para aplacar a sua fome a fome de loba que lhe perseguia como uma besta faminta.

Os fazendeiros a mataram com vários tiros e incendiaram a propriedade. E nunca mais falaram nisso, dizem a todos que o que viram aquela noite foi uma mulher louca matando o marido. Somente membros da família deles conhecem a verdadeira história, História contada somente regada a muita cachaça nas noites de lua cheia quando ninguém pode ser chamado de louco por contar uma história de lobisomem.

Publicidade

Publicidade

Aviso: O Criptozoologia.com.br/strong> contribui para que a cultura brasileira continue ativa em questão a lendas, folclores e histórias passadas de geração para geração. Portanto esse artigo não é de nossa opinião e autoria e sim uma história popular.

Publicidade


O criptozoologia.com.br surgiu com o intuito de fornecer uma vasta quantidade de boas informações sobre esse mundo novo que é a Criptozoologia.

Leia também